terça-feira, 31 de maio de 2011

CASO ESPECIAL: DIBUK, O DEMÔNIO (1972)

 No dia 28 de Julho de 1972 estreava o "Caso Especial: Dibuk, O demônio". Adaptação de Domingos Oliveira de peça homônima de Sch-Anski, direção de Daniel Filho, assessoria para vestuários, arte e música judaicos de José Steinberg.

Passada na Polônia há 200 anos, dentro de uma sinagoga. Na trama, dois amigos fazem um acordo, tendo como testemunha um demônio: se um deles tiver um filho, e o outro, uma filha, ambos os filhos devem se casar. Se a promessa não for cumprida, os dois amigos morrem. Regina Duarte era possuída pelo demônio Dibuk.
Elenco:

Regina Duarte, Antônio Ganzarolli, Buza Ferraz, Edney Giovenazzi, Ítalo Rossi, Ivan Candido, José Steinberg, José Wilker, Suzana Faini, Roberto Pirillo entre outros...

6 comentários:

The Brazilian Courier disse...

Tive o prazer de trabalhar como Assistente de Produção deste Caso Especial. Vejo, agora, como Daniel Filho sempre esteve à frente da vanguarda teatral mundial. A peça é do autor judeu S. Ansky, adaptada por Domingos de Oliveira para a TV. Sidney Lumet dirigiu um segmento num programa de TV chamado "Play of the Week" baseado na peça, em outubro de 1960. Leonard Bernstein compôs a música para o ballet Dybbuk, dirigido por Jerome Robbins em 1974. Foi também adaptada pela CBS (1974) e pela BBC (1979). Mas Daniel e Domingos já tinham mostrado antes (em 1972) o potencial da TV Globo e do programa Caso Especial, do qual me orgulho de ter participado. Beijos para Regina Duarte, que talvez nem se lembre mais de mim. Phydias Barbosa

Morotcha disse...

Ela não sei...Difícil esquecer esse nome...como esquecer a pessoa dele...?

Jimmy T disse...

Eu nasci no dia 28 de julho de 1972e tenho ancestrais poloneses. Regina é o nome de minha mãe. Coincidências à parte, fiquei impressionado em saber hoje sobre este Caso Especial. (Assistir Regina Duarte atuando em Sétimo Sentido foi muito intenso pra mim na época, marcou minha infância).

Tânia Roubier disse...

Lembro bem desse Caso Especial e, com a passagem de José Wilker,veio bem à minha memória.
Eram cenas fortes, principalmente, as que Regina surgia e ao falar a voz e a imagem de Wilker se sobrepunham e vice-versa. Houve momentos que os dois pareciam um só.
Muito bom!

Tânia Roubier disse...

Lembro bem desse Caso Especial e, com a passagem de José Wilker,veio bem à minha memória.
Eram cenas fortes, principalmente, as que Regina surgia e ao falar a voz e a imagem de Wilker se sobrepunham e vice-versa. Houve momentos que os dois pareciam um só.
Muito bom!

ana saintclair disse...

Eu tinha 11 anos e ñ esqueci a interpretação da Regina Duarte. Embora criança gostei do trabalho. Muito bom. Gostaria de rever.