sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

REGINA DUARTE FOI CECÍLIA NA NOVELA CARINHOSO (1973)

Regina Duarte no ano de 1973, aprentava aos telespectadores a  jovem Cecília, filha única de Felipe (Gilberto Martinho), que para esquecer as suas  desilusões amorosas, decide ser aeromoça e vai morar em Nova York, Lá ela conhece Santiago Morales (Herval Rossano), um argentino rico e bem sucedido.

 Após três anos, morando no exterior, Cecília decide volta ao Rio de Janeiro, em busca do seu grande amor Eduardo (Marcos Paulo), mebro da  família Vasconcellos, sobretudo do irmão mais velho, Humberto (Cláudio Marzo), apaixonado por ela, se opõe ao romance.

Com a decisão da aeromoça em retornar ao país de origem, o apaixonado Santiago resolve ir para o Brasil, o que ele não esperava foi a confição de  Cecília em dizer que amava outro homem. Cecília também se envolve com   Humberto formando um triângulo amoroso dos personagens.
QUEM FOI CECÍLIA?

Cecília foi a aeromoça que busacava o amor verdadeiro de um homem carinhoso!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

REGINA DUARTE EM CENA INÉDITA DO JUGAMENTO DE ANDRÉA E FLOR DA NOVELA VÉU DE NOIVA (1969/70)


A história tinha como ponto de partida um noivado desfeito no dia do casamento, quando Andréa (Regina Duarte) descobre que o noivo, Luciano (Geraldo del Rey), está apaixonado por sua irmã, Flor (Myrian Pérsia). Desiludida, foge de todos encontrando o verdadeiro amor nos braços de Marcelo Montserrat (Claudio Marzo), um corredor de automóvel, às voltas com Irene, mulher irônica e despojada. Luciano engravida Flor. Depois se descobre apaixonado por Andréa, quando ela já estava casada com Marcelo. Luciano, ao encontrar Andréa sozinha em outra cidade e Flor dando a luz e renegando o filho (assumido por Andréa), não nega para Marcelo que o filho é dele com Andréa.
Flor não quer assumir o filho sozinha por vergonha de ser mãe solteira. Então resolve abandonar a criança, que ficou sob a guarda de Andréa. Algum tempo depois, Flor se casa com outro homem, que queria ter filhos. Ao ouvir a confirmação de um especialista de que não poderia mais ser mãe, ela resolve pedir o seu de volta. A partir deste momento, a novela começa a girar ao redor da disputa das duas irmãs. Com quem ficaria a criança? Com a mãe adotiva ou com a mãe verdadeira, que a abandonara.

Regina Duarte e O juiz Eliézer Rosa
A disputa pela guarda da criança mobilizou o país, então Daniel Filho teve a idéia de realizar um julgamento de verdade em cena. Para isso convidou o juiz Eliézer Rosa e um júri de pessoas comuns. O destino da criança foi parar nas mãos do juiz e ninguém, nem mesmo o diretor, sabiam por antecipação qual seria o resultado. Para não perder a emoção, o julgamento foi gravado direto, sem ensaio, e a emoção e tensão das atrizes era totalmente real. A mãe adotiva saiu vitoriosa.

A novela, uma explosão de audiência no país, foi uma espécie de tiro no escuro, que deu muito certo. Nada era rigorosamente pré-definido, valia qualquer coisa para fazer da novela um grande sucesso. O personagem interpretado por Myrian Pérsia dividiu as opiniões femininas das mulheres de 1969, que não se consideravam capazes de julgá-la, já que na época, ser mãe solteira era considerado desonra.













quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

QUEM FOI NINA À LA GARÇONNE?

 Nina, À La Garçonne, assim intitulada devido ao corte de cabelo que a personagem é obrigada a fazer.
Nina é uma jovem professora do interior que inicia sua carreira num dos mais importantes colégios do São Paulo da década de 20. Ao saber que o colégio havia rejeitado a matricula de Isadora (Izabela Garcia),uma menina de oito anos, porque ela era filha de artistas, a professora manifesta-se contra a decisão. Além dos obstáculos ideológicos, Nina tem de disputar o amor de Bruno (Antônio Fagundes) com outra mulher.Sua luta para impor novas idéias e o seu amor pelo italiano Bruno são duramente contestados, pelos costumes da época em relação à sua posição. Mas um crime acontece no colégio onde Nina trabalha. Uma aluna é assassinada, e a culpa recai sobre a professora, que passa a lutar por sua inocência.


REGINA DUARTE FALA DE SUA PERSONAGEM "NINA"

Novela: Nina
Autoria: Walter George Durst
Direção: Walter Avancini e Fabio Sabag
Período de exibição: 27/06/1977 – 13/01/1978
Horário: 22h
Nº de capítulos: 142